Parceiros

Parceiros



Membro

Convidado
Mensagens: 0


ÂMAGO - Por Dentro do Gibi

Ir em baixo

ÂMAGO - Por Dentro do Gibi

Mensagem por Marcos Dark em Sab Fev 03, 2018 2:49 pm


CATÁLOGO:

Revista:
Captain America 106
Data da publicação: Outubro de 1968
Editor: Stan Lee
Arte de capa: Jack Kirby
Apresentação da revista: 20 páginas coloridas, formato 25,7 x 16,8cm, lombada com grampos

HISTÓRIAS DESSA EDIÇÃO:

Título :
Cap Goes Wild!
Argumento: Stan Lee e Jack Kirby
Desenhos: Jack Kirby
Arte-Final: Frank Giacoia
Letras: Sam Rosen

HISTÓRIA (o texto a seguir é uma adaptação parcial do roteiro):

"É no furor de uma grande batalha que nossa história tem início..." O edifício da SHIELD está sendo atacado e o Capitão América tenta deter os invasores. O herói nota que um deles foge com uma caixa. Apesar de desconhecer como chegaram até ali, o Capitão percebe que se trata de um destacamento oriental. Mas agora o que ele quer mesmo é recuperar a misteriosa caixa. De repente, o herói ouve um zumbido. Acima deles, um eletroímã suspenso por um helicóptero captura a caixa. Antes, o herói ouve algo sobre tal "Operação Réplica".

Os invasores não conseguiram fugir, mas o helicóptero de fuga deles sim e, com ele, levaram a caixa. O Capitão América não está lá de muito bom humor e não recebe bem um agente da SHIELD enviado pelo Coronel Fúria (Nick Fury) para cuidar dele. Com a insistência do agente, o Capitão aceita sua carona e lhe questiona o que havia na caixa. É então que toma ciência de que se tratava de uma fórmula para criação de superandróides. Ambos entram no hotel onde o Capitão está hospedado pela porta dos fundos, apesar de não estar usando a máscara, o herói ainda está de uniforme e isso pode chamar muito a atenção.

Dentro do quarto, Steve pega o telefone mas desiste de ligar. Ele prefere deixar Sharon Carter em paz. O herói, que ainda está de mau humor, exige que o agente fale logo o que está fazendo ali. Ele teme que seja algo sobre Sharon, mas não é. O agente da SHIELD quer lhe mostrar um filme caseiro produzido por um estúdio de Hollywood. O filme começa como um documentário da Segunda Guerra Mundial, com cenas do Capitão atuando juntamente com Bucky. Até então, não há novidades. Em uma cena, o herói está com um inimigo ferido... e apontando um rifle pra ele. Então... atira a sangue frio! Steve fica horrorizado. Aquele filme é falso, pois essa cena nunca aconteceu. Alguém o quer mostrar como um sanguinário. Steve quer saber quem falsificou aquele filme, mas nem o agente sabe. Na verdade, foi enviado por Fúria pois ele achava que o herói toparia descobrir, uma vez que lhe fornecerão o nome do estúdio. Steve aceita e solicita uma passagem no próximo voo para Hollywood.

Chegando a Hollywood, o Capitão América liga para Cyril Lucas, responsável pelo estúdio Infinity Productions. Diz que viu algumas cenas do nome filme sobre ele e quer que algumas cenas sejam alteradas. Cyril aceita e o convida para supervisionar as alterações.

Algum tempo depois, o Capitão América chega ao estúdio mas estranha o fato de não haver nenhum guarda e nada estar trancado. Encontra cenários sofisticados, denotando que se trata realmente de um estúdio. Mas a calmaria a sua volta mexe com seus instintos. Nota alguém atrás dele e, ao se virar... encontra alguém idêntico a Steve Rogers! O Capitão América é atacado pela réplica de Steve Rogers, que demonstra ter uma força sobre-humana. O intento da réplica é tomar o seu lugar. Com uma só mão, o vilão arranca um poste de aço como se fosse de papelão. Apesar de conseguir se defender com o escudo, o herói percebe que precisa assumir a ofensiva. Com um chute, consegue afastar a criatura e tomar à ofensiva. Seu oponente também demonstra ser mais rápido e não demonstra sinais de cansaço. A réplica consegue agarrar o braço esquerdo do herói... o braço com o qual ele empunha o escudo. Com sua maior defesa mobilizada, o herói fica a mercê dos ataques da réplica.

Um homem surge dos cenários e tenta ajudar o Capitão, sendo levantado no ar pela réplica. A distração do vilão é a chance que o Capitão precisava. A réplica atira o homem que ajudou o Capitão América no ar. Apesar do Capitão contra atacar, a réplica parece nem sentir seus golpes, logo se recuperando e imobilizando o Capitão, envolvendo-o em alguns destroços e tentando amarrar suas pernas. O Capitão consegue se soltar das amarras e contra atacar. É quando percebe que o corpo da réplica começa a tremer todo e a brilhar. O androide (como conclui o Capitão) está desesperado e sua estrutura molecular parece estar em colapso. Ao persegui-lo, o herói é impedido pelo agente da SHIELD que assistia a tudo e diz que não será bonito ver quando o androide começar a se desmanchar. Explica que a SHIELD permitiu que a fórmula fosse roubada porque ainda não tinha sido testada e precisavam de uma cobaia. Agora já se sabem que não é seguro usá-la, pois depois de um tempo o androide gerado começa a se dissolver. O Capitão lembra-se de capturar os produtores, mas o agente explica que, como falharam com seus "patrões" orientais, não terão para onde fugir. A SHIELD já estava de olho em Cyril e o Capitão lembra que o outro (na verdade, Willie, irmão de Cyril que não concordava com a traição do irmão ao país) acabou sendo morto pelo androide ao tentar ajudá-lo.



CURIOSIDADES:

* A replica que o Capitão América enfrenta, gerada através de uma fórmula roubada da SHIELD, trata-se de um LMD, sigla Life Model Decoy, ou Modelo de Vida Artificial, como ficou conhecido no Brasil. Trata-se de androides muito realistas e que substituem agentes da SHIELD para enganar seus inimigos em missões em que os mesmos simulam morrer. Esses androides foram criados em 1965 para as histórias solo de Nick Fury e já deram muita dor de cabeça para a organização, uma vez que já se revoltaram contra seus criadores.

* Stan Lee sempre foi muito enfático e eloquente em suas narrativas. Chegava a fazer citações a várias personalidades da cultura para ilustrar suas chamadas. Quando é mostrado a base dos orientais, Lee cita atrizes americanas, já que a ação foi cortada pra outro local senão estúdios onde poderiam ser mostradas algumas de suas estrelas. Temos a citação das beldades Raquel Welch (cujo maior sucesso até a publicação original dessa história era de Viagem Fantástica, dirigida por Richard Fleischer em 1966; trailer : https://www.youtube.com/watch?v=-hjiVViMuS4 ), Stella Stevens (de O Professor Aloprado, dirigido e estrelado em 1963 por Jerry Lewis; trailer : https://www.youtube.com/watch?v=INanfI4FL8A ), Sandy Dennis (de Quem Tem Medo de Virginia Woolf?, dirigido por Mike Nichols, com Elizabeth Taylor, Richard Burton e George Segal, em 1966; trailer : https://www.youtube.com/watch?v=L78nejGfX-A) e Faye Dunaway (de Bonnie e Clyde - Uma Rajada de Balas, dirigido por Arthur Penn, com Warren Beatty, em 1967, trailer : https://www.youtube.com/watch?v=hZpm1zj9510).

* Uma espécie de referência reversa ou visão do futuro? É isso o que acontece quando vemos, em uma história em quadrinhos, um estúdio de cinema, cheio de quinquilharias de efeitos especiais, cujo produtores têm o sobrenome... Lucas! Pode-se se pensar que essa era uma referência a George Lucas, o "pai" da franquia Star Wars. Porém, se fosse uma homenagem, não seria pela saga espacial. Afinal, essa história foi publicada em 1968 e o primeiro Star Wars (Uma Nova Esperança) é de 1977. George Lucas dirigiria seu primeiro filme, chamado THX 1138, apenas em 1971.

* Alguns aspectos (ainda) mais explícitos sobre o tema da Guerra Fria nessa história estariam na fala do Capitão América, quando ele diz que a Réplica foi programada pelos "vermelhos", apelido dado aos inimigos da América naquele período, os comunistas (nessa história, mais especificamente os chineses trabalhando sob supervisão dos russos).

* O líder dos comunistas tem a aparência que, claramente, se refere ao líder comunista chinês Mao Tsé-Tung, apesar do nome não ser citado explicitamente (ainda que o close dispense qualquer identificação).

ANTECEDENTES:

- A revista americana Captain America 105, mostrava o embate do Capitão América contra um grupo de vilões organizado por Batroc. No introdução da história, o herói assiste um documentário onde vê seu ex-parceiro Bucky. Relembra que sua morte se deveu ao infeliz final de uma de suas aventuras e conclui que seu estilo de vida pode colocar em risco que se aproxime dele. Baseado nisso, reconsidera seu relacionamento com Sharon Carter (onde já se falava em casamento), pois poderia colocar a vida da moça em risco. Decide, então, se afastar dela. Esse, afinal, era o motivo para que o herói estivesse com o humor em baixa na edição seguinte.

Artigo originalmente publicado no blog Âmago: http://quadrinhosdarkmarcos.blogspot.com.br/1970/01/por-dentro-do-gibi-item-1a-captain.html
avatar
Marcos Dark
MembroVIP
MembroVIP

Mensagens : 36
Pontos : 1303
Data de inscrição : 03/01/2015
Idade : 45
Localização : São Paulo

Ver perfil do usuário http://www.quadrinhosdarkmarcos.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum